Caros (as) associados (as) da SBHE,

Neste ano que se encerra, agravou-se a crise econômica no Brasil e avultaram as ações contra o Sistema Nacional de CT&I, a universidade pública, as humanidades, o meio ambiente, dentre outras políticas que sinalizam claramente o recrudescimento das conquistas sociais e dos valores democráticos. Não obstante, a comunidade científica e os educadores têm resistido de inúmeras formas e a SBHE tem participado das manifestações e se posicionado a favor do Estado de Direito Democrático, mobilizando-se em defesa da educação, da cultura e da ciência. Em um mundo em que a solidez das instituições, das normas, das organizações é questionada e posta em suspensão, o exercício de pensar é crucial. Tal exercício implica interrogar o óbvio, o senso comum, a cultura de mercado e fundamentalmente, a razão instrumental que tudo naturaliza. Apesar das adversidades do cenário presente, os historiadores da educação continuaram investindo na produção do conhecimento comprometido com o questionamento crítico do passado e do presente da educação, colocando essa produção a serviço de todos aqueles que se empenham na luta por uma sociedade mais justa e igualitária. Isso pôde ser largamente confirmado no bem-sucedido X Congresso Brasileiro de História da Educação realizado em Belém, no período de 2 a 5 de setembro, ocasião em que foi aprovada em assembleia ordinária da entidade a Carta de Belém, consubstanciando o posicionamento da SBHE em defesa da educação pública, da ciência e da democracia. 

Quando nos defrontamos com desafios diários a serem enfrentados para ressalvar conquistas sociais, Direitos Humanos, Educação e Ciência, é preciso afirmarmos ações no coletivo, nos cuidarmos mutuamente e nos fortalecermos em nossa luta. Desejamos a todos e a todas boas festas e um 2020 de renovadas expectativas para continuarmos juntos na árdua jornada de luta por mudanças nos rumos da educação e do país.

 

Diretoria da SBHE

 

Rio de Janeiro, 17 de dezembro de 2019.